terça-feira, 10 de agosto de 2010

As mesmas caras

Todo dia eu saio de casa às 9:40. E todo dia quando eu saio do prédio tem um indiano, meu vizinho, caminhando na minha frente em direção à parada de ônibus. Ele pega o mesmo shuttle que eu e virou meu timer: se ele tá muitos passos à minha frente significa que eu devo andar um pouco mais rápido pra conseguir atravessar a Adelphi Rd. (muito movimentada) a tempo de pegar o ônibus. Se ele tá mais perto, posso caminhar devagar.

A "questã" é que, desde que eu notei esse cara, na semana retrasada, ele tá todos os dias com a mesma roupa: mesma camisa, mesma calça de tecido, mesmo chinelo. A única coisa que muda é o cheiro e a oleosidade do cabelo, todo dia piora um pouquinho. Gente, tá fazendo quarenta graus quase que diariamente! Tem dias que eu chego em casa e tenho impulsos de jogar a roupa que eu tou vestindo no lixo! E hoje eu notei que a camisa dele tá com uma mancha de mostarda do tamanho de um punho fechado. Ver esse cara diariamente me traz lembranças não muito felizes da minha colega de quarto indiana na Itália.

Normalmente uns dois minutos depois que eu e o indiano chegamos no ponto chega também o cara-muito-alto-com-cara-estranha-com-saquinho-de-comida-na-mão, que também mora nos Graduate Hills e normalmente usa duas camisetas, uma por cima da outra. E logo antes de chegar o shuttle chega a guria-com-cara-de-poucos-amigos-que-só-usa-bermuda-de-homem-e-camiseta-da-universidade, que às vezes vem devorando uma maçã. Logo depois dela chega o shuttle. Todo dia.

5 comentários:

Nelci disse...

É "porquice cultural"..... quem sabe quão legal ele é!!! ahahah
Difícil deve ser aguentar o bodum...

Tigre disse...

É por isso que os americanos enchem seus filmes de clichês. Tudo mass-produced, até os figurantes cotidianos?

Ana Paula disse...

Minha filha, eles só estão se poupando de ter que escolher uma roupa diferente todos os dias. E de ter que tirá-las para tomar banho e vesti-las de novo. Alguns chamam isso de otimização do tempo. Eu chamo de porquice, pura e simples. Não que eu tenha muitas opções no meu guarda-roupas, porque meu software não veio com o pacote de expansão "como combinar roupas da maneira correta e minimamente aceitável", mas, pelo menos, todas as peças são rigorosamente limpas e eu também. Com no mínimo dois banhos diários.

Leo disse...

Ana, confesso que esses indianos me lembram as tuas narrativas sobre os coletivos porto-alegrenses!

Clark disse...

Sua preconceituosa!!! Não aprendeu que devemos respeitar a porquice da cultura alheia!!!

Aula de relativismo para ela...